Enfermagem… Muito além de um ‘dom’

Foto: Equipe de enfermagem durante manobra de paciente em posição prona

Amar o que faz é prerrogativa para todo e qualquer profissional, atue ele na área que for. A enfermagem, por séculos – a profissão começou antes mesmo de Cristo – sempre puxou o viés de que para ser bom nessa profissão era preciso ter o ‘dom’, no entanto, a verdade é que para atuar na área do cuidado, desde uma simples aferição de temperatura ao auxílio médico durante um procedimento cirúrgico, por exemplo, é preciso muito mais que isso.

“É preciso dedicação, empatia para com o próximo que vive um momento de extrema fragilidade, sem contar com as habilidades e, muito, mas muito conhecimento. Estudar, aprender e aprimorar todos os dias são essenciais para que o profissional da enfermagem ofereça sempre a melhor assistência ao enfermo” , disse a administradora da Santa Casa de Piracicaba, Vanda Petean, enfermeira de formação e que por anos atuou na área da assistência obstétrica.

Para a gestora do cuidado da Santa Casa, Denise Lautenschlaeger, além da questão técnica, que deve ser aprimorada diariamente, associada às boas práticas cotidianas, para ser enfermeiro também é preciso se colocar no lugar o outro, saber ouvir, dar atenção, humanizar. “Uma profissão que precisa alinhar e utilizar de todos os recursos [ciência e humanização] para salvar ou, pelo menos amenizar o sofrimento, a tristeza ou o medo que o paciente tem passado”, salienta.

Nos hospitais, os enfermeiros trabalham na chamada ‘linha de frente’, termo que ficou bastante conhecido com a chegada da pandemia da covid-19. Esses profissionais prestam os primeiros atendimentos ao paciente que procura ou é trazido à assistência médico-hospitalar. Eles realizam acolhimento primário, classificam urgências/emergências, colhem exames preliminares, preenchem fichas médicas, cuidam da higiene e conservação do local, administram os medicamentos prescritos, realizam procedimentos de média complexidade e monitoram o quadro geral de saúde dos pacientes internados.

Na Santa Casa de Piracicaba, atuam 240 enfermeiros, 553 técnicos de enfermagem e 35 auxiliares de enfermagem que se dividem na assistência 24 horas. São três áreas profissionais do cuidado, cada uma delas com responsabilidades, grau de complexidade e formações distintas. Neste dia 12 de Maio, dia da Enfermagem, a Santa Casa parabeniza todos esses trabalhadores que atuam diretamente no cuidado ao próximo e na busca de oferecer sempre a melhor assistência ao paciente.

Read Previous

Reunião do Comder aborda isenção de IPTU para propriedades rurais

Read Next

Parque Tiradentes terá arrastão da dengue neste sábado

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.