Diarreia do viajante é o problema de saúde mais comum nas férias, mas pode ser evitado com práticas de higiene e uso de probióticos

Foto – Divulgação

Nos próximos meses a maioria dos brasileiros ainda estão se programando para viajar, seja para a praia ou para destinos paradisíacos, mas é preciso ficar atenta se o local escolhido tem infraestrutura para receber o turista. Afinal a diarreia do viajante é a doença mais comum no período de férias, podendo atingir de 10% a 50% das pessoas dependendo do destino escolhido, segundo dados do CIVES (Centro de Informação em Saúde para Viajantes) , da UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ou seja, quanto menor as condições de higiene do destino maior probabilidade de ser acometido pelo mal-estar.

A diarreia do viajante é na maioria dos casos uma infecção gastrointestinal causada pela ingestão de água ou alimentos contaminados por microrganismos patogênicos que podem ser vírus, bactérias ou parasitas. “O risco de contaminação está associado à práticas de higiene inadequadas ou a falta delas na manipulação, preparação de alimentos e no tratamento da água”, afirma Nanci Utida, Gerente Médica da Cellera Farma.

Os sintomas podem deixar o paciente debilitado

Os sintomas aparecem de forma súbita, geralmente durante a viagem ou logo após o retorno. Para ser considerada como diarreia do viajante, ou doenças diarreicas agudas, como é conhecida cientificamente, a pessoa tem de quatro a cinco evacuações de fezes amolecidas ou aquosas por dia. Outros sintomas comumente associados são cólicas abdominais, distensão abdominal, náuseas, vômitos e febre.

O início da diarreia do viajante geralmente ocorre na primeira semana de viagem. Mas pode acontecer a qualquer momento e mesmo após o retorno para casa, dependendo do período de incubação do agente infeccioso. “A diarreia bacteriana geralmente começa de forma abrupta, mas o Cryptosporidium pode incubar por sete dias e os protozoários como a Giardia por 14 dias ou mais, antes que os sintomas se desenvolvam”, afirma a médica.

A maioria dos casos de diarreia do viajante são leves e tem resolução espontânea em poucos dias, mas os casos graves ou prolongados podem resultar em perda significativa de fluido e desequilíbrio eletrolítico. A ingestão adequada de líquidos (terapia de reidratação oral) é de alta prioridade. Em casos graves ou prolongados, é aconselhável que se procure um médico.

Cuidado com o destino escolhido

Segundo a especialista, o fator de risco mais importante para diarreia do viajante é o destino da viagem (local com condições precárias de saneamento). Já as taxas de incidência são similares em homens e mulheres.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) os destinos de maior risco para a diarreia do viajante são a Ásia, o Oriente Médio, a África e a América Latina. No entanto, este problema de saúde pode ocorrer mesmo nos países mais desenvolvidos, se as práticas de higiene forem menos adequadas na manipulação e na preparação dos alimentos.

O uso de probióticos na prevenção e no combate a diarreia

Há muito se ouve falar do uso de probióticos na proteção da mucosa intestinal e no caso da diarreia do viajante, eles podem ser uma forma segura de prevenção e controle da doença.

Entre os probióticos, o mais estudado é o Lactobacillus rhamnosus GG (LGG®). Hilton et al. realizaram um estudo prospectivo duplo cego, placebo controlado, para verificar a eficácia do LGG® na prevenção da diarreia do viajante. O estudo demonstrou que o LGG® conferiu uma taxa de proteção (diminuição de risco) de 47%. A precaução se dá antes mesmo da viagem. No estudo de Hilton, os turistas foram instruídos a começar a tomar o LGG® dois dias antes da viagem e manter o consumo até a volta.

Portanto, o uso de probióticos é um grande aliado durante a próxima viagem. Dentre os probióticos eficazes para uma microbiota intestinal saudável e com respaldo científico destaca-se o Lactobacillus rhamnosus GG, ou LGG®. Sua composição é capaz de ajudar no tratamento e na prevenção de vários sintomas da diarreia tanto em adultos quanto em crianças. O LGG ajuda a repovoar o intestino com novas bactérias e micro-organismos saudáveis.

Outros métodos preventivos

As recomendações para prevenir a diarreia do viajante incluem:

  • Lavar frequentemente as mãos ou higienizar com álcool em gel quando não for possível lavá-las.
  • Evitar o consumo de alimentos e bebidas em locais de higiene questionáveis. A causa desta diarreia é fundamentalmente uma falha de saneamento, levando à contaminação da água e dos alimentos.
  • Manter uma boa higiene e usar apenas água potável para beber e escovar os dentes.
  • As bebidas seguras incluem água engarrafada, refrigerantes engarrafados e água fervida ou tratada adequadamente pelo viajante.
  • Deve-se ter cuidado com chá, café e outras bebidas quentes que podem ser apenas aquecidas, e não fervidas.
  • Em restaurantes, insista para que a água engarrafada seja aberta na sua presença “Há relatos de pessoas em determinados locais que enchem garrafas vazias com água da torneira não tratada e revendendo-as como água purificada”, afirma.
  • Na dúvida, uma bebida gaseificada engarrafada é a escolha mais segura, pois é difícil simular a carbonatação no reabastecimento de uma garrafa usada”, orienta a médica.
  • Não consuma nada com gelo, que este pode não ter sido feito com água potável.
  • Evite saladas verdes, porque a alface e outros ingredientes não cozidos provavelmente não foram lavados com água potável.
  • Evite comer frutas e vegetais crus, a menos que sejam limpos e descascados pessoalmente.
  • Se manuseados de maneira adequada, alimentos frescos e embalados bem cozidos costumam ser seguros.
  • Carne e frutos do mar crus ou mal cozidos devem ser evitados. Leite não pasteurizado, laticínios e maionese estão associados ao aumento do risco de diarreia do viajante. Assim como alimentos e bebidas comprados de vendedores ambulantes e outros estabelecimentos onde condições anti-higiênicas podem estar presentes.
  • O uso de probióticos em situações em que ocorre disbiose intestinal foi bem estudado para prevenção e tratamento de diarreia aguda. Os probióticos têm uma vantagem única, pois podem ter mecanismos de ação diversos: morte direta de patógenos, destruição de toxinas patogênicas, interferência de adesão a células-alvo ou regulação do sistema imunológico”, explica a médica.

Sobre a Cellera Farma

Cellera Farma é resultado da aquisição do Instituto Terapêutico Delta e da empresa MIP Brasil Farma, com o investimento do grupo Principia Capital Partners em parceria com o sócio Omilton Visconde Junior, empresário com grande experiência no mercado farmacêutico brasileiro.

Em 2019, a Cellera Farma passou a representar no Brasil 12 medicamentos da Janssen, farmacêutica da Johnson & Johnson. Por meio do acordo, a Cellera tem implementado estratégias de marketing, educação médica, comercialização direta para distribuidores e abastecimento do mercado nacional para esses produtos.

Localizada na cidade de Indaiatuba, interior de São Paulo, a planta fabril tem 25 mil metros2 de área total construída, aprovada pela Anvisa como planta de produção para medicamentos, cosméticos, produtos para saúde.

Canais Cellera Farma:

https://www.cellerafarma.com.br/
https://www.facebook.com/CelleraFarma/
https://www.instagram.com/cellerafarma/
https://www.linkedin.com/company/cellerafarma/about/

Read Previous

Entenda as mudanças na Lei de Alienação Parental

Read Next

Seis passos para deixar seu cabelo lindo no verão

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.