julho 4, 2022

De olho nas pintas: atenção aos sinais do melanoma

Foto: Divulgação

Embora represente apenas 3% dos casos de câncer de pele no Brasil, neoplasia é agressiva e merece atenção. Oncologista comenta importância do diagnóstico e tratamento precoce, e explica como prevenir a doença

Apesar de raro, o melanoma – tipo menos comum de câncer de pele – é o mais agressivo, principalmente se não tratado precocemente. De modo geral, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de pele ultrapassa no Brasil a marca de 185 mil novos casos ao ano. Quanto ao melanoma, ainda de acordo com o órgão, o subtipo da doença representa 3% das neoplasias malignas no país.

Devido sua alta capacidade de metástase, o melanoma tem como principal manifestação inicial o aparecimento de uma pinta escura de bordas irregulares. Além disso, segundo a Dra. Sheila Ferreira, oncologista da Oncoclínicas São Paulo, também é importante ficar de olho em outros fatores. “A pinta ou sinal possui tons acastanhados e, apesar de aparecer com mais frequência nas áreas expostas ao Sol, pode surgir em qualquer parte do corpo, inclusive nas mucosas. Na pele negra, por exemplo, elas podem aparecer comumente nas palmas das mãos e plantas dos pés”, explica.

Por que o melanoma aparece?

O melanoma tem origem nas células que produzem a melanina – os melanócitos -, responsáveis por determinar a cor da pele. “Devido a exposição prolongada aos raios solares ultravioletas e também às câmaras de bronzeamento artificial, as células passam a se reproduzir descontroladamente. Além disso, o melanoma tem alta possibilidade de metástase – a disseminação da doença para outros órgãos. Contudo, quanto antes for diagnosticado, maiores são as chances de sucesso no tratamento “, alerta a oncologista.

Prevenção é tudo!

A melhor maneira de prevenir o câncer de pele melanoma é evitando a exposição ao sol das 10h às 16h, justamente pelos raios serem mais intensos. “Outra maneira de evitar a situação é procurar lugares com sombra, investir no protetor solar, usar roupas com proteção UV, bonés, óculos de sol e protetor próprio para os lábios”, orienta Sheila Ferreira.

A oncologista reforça ainda que o uso do protetor solar deve ser feito até mesmo nos dias nublados, cerca de 15 minutos antes de sair de casa. “É importante que o protetor solar tenha, pelo menos, 30 de FPS. Reaplique a cada duas horas ou ainda depois de nadar ou suar”.

Também é importante evitar câmaras de bronzeamento artificial — vale lembrar que elas estão proibidas no Brasil pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) desde 2009.

Read Previous

500 alunos são formados em mais uma Turma do PROERD em Rio das Pedras

Read Next

Inverno agrava a asma — Saiba como controlar as crises

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.