CGU e PF deflagram segunda fase da Operação Prato Feito em São Paulo

“Trato Feito” aprofunda investigações por desvios de recursos públicos na Prefeitura de Mauá

 O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), em parceria com a Polícia Federal (PF), participa nesta quinta (13) da Operação Trato Feito, em Mauá (SP). A ação é um desdobramento da Operação Prato Feito, deflagrada no último mês de maio, e tem por objetivo aprofundar as investigações sobre atuação de organização criminosa composta por empresários, lobistas e agentes públicos para fraudar licitações e desviar recursos públicos.

A investigação indica que nove empresas, de diferentes ramos, pagavam propina mensal para os investigados, no valor estimado de R$ 500 mil mensais. Durante a primeira fase, o prefeito de Mauá e o secretário de Governo do município foram presos em flagrante delito por lavagem de dinheiro. As equipes de busca e apreensão encontraram, ocultados nas residências dos investigados, montantes acimas de R$ 80 mil reais e de R$ 500 mil respectivamente, valores em espécie incompatíveis com os proventos dos acusados.

Evidências coletadas na apreensão da primeira fase indicam recebimentos indevidos por percentuais de contratos (10% ou 20%) com empresas que fornecem bens e serviços à Prefeitura de Mauá; pagamentos de propinas a quase totalidade dos vereadores do município e fraude na formalização de contrato para fornecimento de uniforme. Outra irregularidade identificada pela Polícia Federal é da existência de troca de favores na contratação de cargos comissionados na prefeitura e empregos nas empresas do esquema criminoso.

Conforme denúncia feita à PF, após a deflagração da Operação Prato Feito, os delitos persistem na Prefeitura de Mauá. Em julho de 2018, durante processo de licitação de aluguel de veículos, o representante de uma empresa foi coagido a retirar a proposta apresentada, de forma que a licitação foi direcionada para evitar competição.

A Operação Trato Feito conta com a participação de cerca de 220 policiais federais e de seis servidores da CGU para cumprimento de duas ordens de prisão preventiva e de 54 mandados de busca e apreensão em locais como a Prefeitura Municipal de Mauá, a Sama (Saneamento Básico do Município de Mauá) e a Câmara de Vereadores, bem como as residências das autoridades municipais envolvidas.

Prato Feito

Deflagrada em maio pela CGU, PF e Ministério Público Federal (MPF), a ação investigou desvio de verbas federais destinadas à compra de merenda escolar em 30 municípios de São Paulo. Associações criminosas compostas por empresários, lobistas e agentes públicos para fraudavam recursos federais da área de educação em prefeituras, transferidos por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).

 

Read Previous

Engenharia de Produção da UFSCar recebe inscrições em cursos de especialização

Read Next

Naldo Davanzo é o novo presidente da Câmara de Charqueada

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.