Dr Luiz Olivieri fala sobre seus maiores desafios como Presidente do Hospital São Lucas de São Pedro

Dr Luiz Olivieri fala sobre seus maiores desafios como Presidente do Hospital São Lucas de São Pedro

Nesta quinta-feira, 15 de abril, o Dr. Luis Antonio Claret Olivieri, que assumiu recentemente a presidência do Hospital São Lucas, conhecido como “Santa Casa São Pedro”, concedeu com exclusividade uma entrevista ao jornalista José Marino Malossi Argentino, diretor do Jornal O Regional.

Pergunta: Doutor, primeiramente: bom dia! obrigado por nos atender e conceder essa entrevista ao jornal “O Regional”. Doutor, gostaria que o senhor falasse, a população de São Pedro como e quando ocorreu essa eleição, porquê muita gente não tem essa informação e ainda pensam que Silvia Andrade é a presidente conforme eleição no final da gestão do Helinho Zanata, ocorrida em dezembro de 2020?

Resposta: Bom dia, Marino. Eu agradeço ao jornal “O Regional” que foi, pelo menos até o momento, o único órgão de imprensa que nos procurou até para se informar e saber como ocorreu essa transição da diretoria do Hospital São Lucas. Então, desde o ano passado quando terminou a intervenção houve a eleição à diretoria e eu fui o primeiro secretário da nova gestão e, com a mudança agora de mandato e o início do novo ano após o encerramento total da intervenção, a direção tenha a dona Silvia Andrade como presidente, o Nelson Baltieri como vice e eu como secretário, estava caminhando dessa forma o Hospital São Lucas. Mas dona Silvia ela teve alguns problemas particulares envolvida também com outros projetos da empresa que ela possui, que é o Terma Regional, estava se sentindo um pouco impedida por falta de tempo de se manter a frente do Hospital. Então em conversa chegamos a esse consenso dela renunciar a presidência por força desses compromissos particulares e veio essa possibilidade de eu assumir a presidência, então como houve a renúncia dela e também do Nelson Baltieri, também por problemas particulares, eu na qualidade de primeiro secretário fiquei interinamente na presidência e no dia seguinte eu já convoquei a assembleia pra eleição da nova diretoria. Entretanto, quando me lancei candidato à presidência do Hospital, coloquei como condição a permanência da dona Silvia Andrade na diretoria, até porque ela muito fez e continua fazendo pelo hospital , por ser uma pessoa que tem um reconhecimento público de todas essas participações nas entidades beneficentes e ela concordou em permanecer na diretoria, hoje ela tem o cargo de vice-presidente, eu na presidência. A assembleia foi realizada dia 22 de março e a nova diretoria tomou posse nessa ocasião.

Pergunta: Quem integra a nova diretoria como um todo?

Resposta: Hoje a nova diretoria está composta: por mim, que estou na presidência, pela dona Silvia Andrade, como vice-presidente, pelo senhor Hélio de Souza, como primeiro secretário, também participa a senhora Maria José e o Anselmo Menegin como tesoureiro.

Pergunta: Doutor, nesse momento como o senhor vê a condição do Hospital e as dificuldades que o senhor tem a frente do cargo, quais são as maiores dificuldades hoje no hospital São Lucas?

Resposta: É uma pergunta muito boa, hoje o Hospital São Lucas está numa situação não digo que confortável financeiramente, mas o Hospital São Lucas hoje é uma instituição respeitada pelo menos no mercado, o Hospital São Lucas está atravessando essa pandemia com as dificuldades do momento isso não é um privilégio do Hospital, acho que todos os órgãos vinculados à saúde e o comércio em geral enfrenta esse problema financeiro nesta fase de pandemia, mas não é um problema que está afetando o movimento financeiro do Hospital. Estamos tendo um aumento significativo no custo de medicamento, aumento significativo em honorários médicos, insumos, dificuldades no mercado para poder conseguir esses medicamentos, mas mesmo assim a gente em parceria com o Poder Público, porque a gente há de reconhecer que o Hospital sozinho não caminha, ele depende dessa participação do Poder Público, mas o Hospital em contrapartida oferece serviços aos munícipes, ele atende, ele tem uma parceria tanto para receber como pra oferecer benefícios para a comunidade. Então o Hospital está atravessando essa fase, estamos com alguma dificuldade, mas com muita responsabilidade enfrentando essa fase e mantendo um nível muito bom de atendimento que é uma questão que acho que depois também vai fazer parte desse questionamento de alguns pontos que preciso esclarecer com relação ao atendimento ao povo.

Pergunta: Aproveitando que o senhor falou do atendimento ao público e a parceria pública, quanto hoje a prefeitura repassa para o Hospital, qual é o valor do repasse de recursos e o que o Hospital, em contrapartida, oferece pra população sampedrense?

Resposta: Marino, existe uma lei municipal, não sei exatamente se é uma lei ou um decreto, que estabelece uma subvenção anual pro Hospital São Lucas na casa de 20 milhões de reais. Essa subvenção é dividida em 12 parcelas que seria um limite de 1,66 milhões, aproximadamente de numerário entregue ao hospital, entretanto o que precisa ser esclarecido é que esse montante não vai para a conta corrente do Hospital, o que acontece? o Hospital vende serviços para o município e além de vender serviços nós temos a contratualização de manter os funcionários da saúde do município, isso é uma coisa que pouca gente sabe que que está dentro da folha de pagamento do Hospital, então funcionários da UPA, das UBS’s, UMIS, médicos que trabalham pro município na UMIS, dentistas do Centro Odontológico, enfermeiros, atendentes, fisioterapeutas, enfim, especialidades, todos esses funcionários, esses profissionais, eles fazem parte da folha de pagamento do Hospital.

Pergunta: Esses funcionários estão registrados em carteira profissional como funcionários da prefeitura?

Resposta: Não! esses funcionários são registrados pelo hospital São Lucas, os enfermeiros, agora com relação aos médicos existe uma contratualização com o Hospital, entretanto não como funcionário em carteira profissional, são empresas que o Hospital contrata, existe um número de atendimentos fixados por mês e o Hospital paga esses profissionais mediante a apresentação de nota fiscal, os enfermeiros todos os funcionários além fora os médicos são mantidos através de contratos trabalhistas com o Hospital então é esse serviço que o Hospital fornece ao município, agora, tem uma outra questão, voltando a esse valor mensal que é destinado ao hospital como eu tinha explicado não vem pra conta do Hospital, por exemplo: tenho 1,66 milhões  mês a conta do Hospital chegou em 1,2 milhões o repasse será de 1,2 milhões esses 460 mil ficam na mão do município,  não existe um valor pago mensalmente pela prestação de serviço, existe até o limite de 1,6 milhões, entretanto, se as despesas não chegarem nesse valor ele não será pago e se passar dos 1,66 milhões o Hospital tem que cobrir esse valor com recursos próprios ou com outros convênios como pode ser feito com a UNIMED, convênios que venham do governo federal, então o município não pode ter uma participação excedente à esses 1,66 milhões e para deixar bem esclarecido essa verba não necessariamente tem que ser gasta só com a saúde do município, pode ser gasta para pagamento de funcionários do Hospital propriamente dito, o que acontece, o Hospital vende esses serviços e obviamente todo mundo que vende serviços não troca dinheiro, o Hospital sempre tem que levar alguma vantagem e algum lucro em cima disso, até porque ele tem as despesas próprias pra serem quitadas.

Pergunta: Doutor, existe hoje um questionamento na municipalidade, as pessoas questionam muito a questão justamente disso, do serviço que o pessoal chega a comentar, não sei se é essa a forma de colocar  questionamento que hoje o Hospital atende melhor a iniciativa privada, ou seja, pessoas que têm convênio com a UNIMED ou quem é atendido no particular que vai no hospital e paga sua consulta do que propriamente o munícipe, porque o munícipe precisa saber e peço que o senhor nos explica  a forma como é feita o atendimento ao munícipe que procura o Hospital São Lucas ou ele não procura o Hospital e vai pra UPA e lá o encaminham. um outro questionamento que a gente tem sofrido muito é que o médico plantonista da UPA também atende o particular no hospital e muitas vezes deixa o munícipe que procura a UPA que é obrigado a ir à UPA pra atender o particular, então gostaria que o senhor esclarecesse isso aí para a população?

Resposta: Então, na verdade o que acontece é assim: o Hospital São Lucas é uma entidade privada não é um órgão público, muita gente confunde essa questão do hospital  até porque a UPA fica ao lado do Hospital, então UPA é uma coisa e Hospital São Lucas é outra, mesma coisa de compararmos hospital público que tem na capital e o Sírio libanês, o Sírio libanês é um ente particular e o Hospital das Clínicas é um ente público, não é? Então o Sírio libanês atende os particulares e os convênios que ele possui e é a mesma coisa do Hospital São Lucas. Então o que acontece se alguém tem um convênio com a UNIMED, Santa Casa Saúde, estamos fechando com AMIL, e precisa de uma consulta essa pessoa dirigisse diretamente ao hospital São Lucas, agora se a pessoa vai ser atendida pelo SUS  ela se dirige à UPA, que é o órgão público vinculado ao SUS, então existe essa diferenciação, entretanto, procuramos e orientamos sempre os profissionais para que o atendimento seja o mesmo tanto no hospital como na UPA, agora nos temos que convir que os atendimentos de convênio são  muito menores do que os atendimentos pelo SUS, até porque o número de pessoas que possuem convênios é menor, então por isso que existe as vezes um número maior de pessoas na UPA, mas não existe diferenciação pelo menos por determinação da diretoria do Hospital com relação ao atendimento entre um e outro. Relativamente ao atendimento de plantonistas, nós temos o plantonista 24 horas da UPA e temos o médico que também dá o plantão no Hospital e as vezes coincidentemente ocorre que existe uma falta de plantão e essa ausência obriga que o mesmo médico também atenda à ambos, entretanto não existe nenhuma questão que possa dificultar esse atendimento, porque no hospital são muito poucos aqueles atendidos por convênio então o médico passa a ficar mesmo na UPA e as especialidades são atendidas no hospital se você precisa de uma consulta pelo SUS com ortopedista você vai pro Hospital não é na UPA que você será atendido, então quer dizer: não podemos confundir hospital e UPA, hospital é particular e UPA órgão público então necessitamos que aqueles que vão ao órgão público passem pela UPA e se necessário for é transferido para o hospital onde vai ter o mesmo atendimento que tem qualquer pessoa particular e do convênio, isso inclusive eu tenho a felicidade de ter recebido hoje felicitações por pessoas de outras cidades que procurou a UPA com problemas cardíacos e veio a mim fazer um elogio pelo atendimento que nem na cidade onde ela mora, que é a cidade de Campinas, ela tem um atendimento bom igual ao que ela recebeu aqui em São Pedro, então é isso a gente tá trabalhando para melhorar, para evitar essas questões de ausência de plantões, entretanto nessa fase de pandemia nós estamos com uma dificuldade muito grande de trazer e manter médicos, entretanto esses que estão aqui estão se dedicando porque  sabem que o Hospital São Lucas paga em dia, paga direito e paga bem, hoje o Hospital São Lucas paga bem, nos temos laboratório que nos fornece medicamento todos eles querem fornecer para o Hospital São Lucas em virtude desse crescimento dessa revolução que foi feita na saúde de São Pedro e que nos estamos fazendo o maior esforço possível pra permanecer com essa revolução.

Pergunta: Tenho recebido reclamações de funcionários que alegam estar sobrecarregados com serviços isso ocorre em virtude do que o senhor acabou de dizer da falta da condição de trazer e manter os profissionais, tem enfermeira que nos disse que saiu meia noite do plantão e que voltou a trabalhar às sete da manhã.

Resposta: Marino falar para você enfermeiro ali trabalha 12 por 36, ou seja, a cada 12 horas de trabalho, descansa 36. Eles podem até estar sobrecarregados devido ao momento que estamos atravessando, provocado pela pandemia, até nós que não somos profissionais da saúde sentimos esse peso.

Doutor, a partir de agora, abro espaço para que o senhor faça as considerações finais?

“Obrigado, eu quero esclarecer um ponto até para finalizar e nós vemos nas redes sociais muitos comentários, muitas críticas à Secretaria de Saúde de São Pedro, ao Hospital São Lucas, então essas críticas muitas delas são infundadas, nós  temos até má informação do público, porque hoje o que é a orientação da saúde? todo é qualquer sintoma de COVID que procure a UBS do seu bairro, nas UBS’s são mantidos, médicos, enfermeiros, testes de COVID, oxigênio, tudo o que tem na UPA tem na UBS. Então esse objetivo que não é só da saúde de São Pedro, é do estado todo, do Brasil todo é para desafogar a UPA, porque nós na UPA, o que é a UPA? Unidade de Pronto Atendimento, é para uma emergência, uma urgência. Casos de suspeita de COVID é UBS, porque essa é a orientação? Isso acontecendo nós vamos esvaziar um pouco a UPA. Tudo mundo diz “Ah, na UPA tem aglomeração, misturado paciente disso, com aquilo” obviamente que vai ficar, porque a população se nega a procurar a UBS que fica no bairro ou próximo de sua residencia, se cada um procurar o seu bairro, nós temos 8 UBS’s em São Pedro, não vai haver essa aglomeração na UPA e se procurar a UBS e o médico constatar que existe uma situação que necessita de um atendimento mais rigoroso, imediatamente a ambulância vai, pega esse paciente e trás pra UPA, então esse é o objetivo da gente indicar é pedir para que qualquer sintoma que procure a UBS e não a UPA imediatamente. Outra questão que precisa ser esclarecida é que hoje nós estamos com uma equipe de UTI , isso é para o povo ter conhecimento, temos 10 leitos de UTI COVID instalados no hospital, entretanto temos uma folga de 4 leitos se houver uma necessidade, então podemos  falar em 14, tínhamos há pouco tempo atrás 5 leitos clínicos do Hospital e hoje esses leitos clínicos foram aumentados para 20, então temos aí 14 leitos de UTI se necessário for e mais 20 leitos para atendimento clínico. Essa equipe de UTI é mantida com plantões de 12 horas cada médico, então nós temos um intensivista 24 horas trabalhando na UTI do hospital São Lucas, esse intensivista além da UTI ele também atende os leitos clínicos da COVID. Temos também muitos problemas com médicos de UTI até porque a dificuldade em arrumar esses médicos é muito grande a demanda do mercado é muito grande, então nós temos feito de tudo pra manter esses médicos e ter uma equipe qualificada, muito interessada no atendimento e digo a vocês: se eventualmente amanhã, não quero ter, mas se eu tiver COVID gostaria de ser atendido aqui em São Pedro, porque é uma equipe muito qualificada e tudo o que o paciente precisa o Hospital São Lucas mantém em suas dependências. Mais uma questão que eu gostaria de esclarecer que estive vendo algumas reclamações  nas redes sociais é com relação ao problema de hemodiálise, São  Pedro já tentou, o Hospital São Lucas já tentou por diversas vezes  a instalação de uma máquina de hemodiálise aqui no hospital São Lucas, consultamos um médico, trouxemos um medico nefrologista Doutor Alex pra fazer uma visita ao hospital e para nos dar as coordenadas necessárias pra instalação dessa máquina de hemodiálise, entretanto, infelizmente nesse momento o Hospital São Lucas não tem qualificação física, espaço físico para instalação da hemodiálise, estamos providenciando isso inclusive com um projeto para a construção de um prédio próprio para UTI, daí vão ser leitos fixos de UTI em São Pedro, 10 leitos, aí sim nós poderemos instalar essa máquina de hemodiálise, então quero dizer: não existe uma má vontade nem do Hospital, nem do Poder público, nem do Secretário de Saúde com relação ao tratamento de pacientes que agravam da COVID para problema renal o que não existe é a possiblidade de termos esse equipamento por hora. O poder público e o Hospital estão dispostos a investir nesse equipamento, entretanto não temos capacidade física dentro do Hospital que possa abrigar porque são muitas exigências para poder abrigar uma máquina de hemodiálise, então essa era uma explicação que eu gostaria e precisava dar a nossa população, porque as vezes falam que o Hospital e o poder público não querem instalar, nós não podemos instalar é uma diferença muito grande, agora com relação ao andamento da construção do prédio de UTI, que já está em estudo, aí sim vamos instalar a máquina de hemodiálise como hoje temos instalada a questão da mamografia, tomografia fazemos colonoscopia, endoscopia tudo isso o Hospital São Lucas pode oferecer, então na verdade, além disso para complementar, o doutor Alex nefrologista independentemente da existência da máquina, ele foi contratado pelo hospital São Lucas ele está dando esse atendimento está vindo pro Hospital e quando se percebe que existe a necessidade de um tratamento mais de perto para a medicação de um tratamento mais próximo do especialista tem vindo pra um atendimento prévio tentando evitar essa ida para hemodiálise, então tudo isso o Hospital São Lucas está fazendo. Instalamos o tanque de oxigênio no hospital agora recentemente em parceria com o Poder Público, isso tudo com o intuito de evitar a falta de oxigênio tem também aí conseguimos a Mirian que é nossa administradora junto com o Leandro conseguiram uma boa quantidade de anestésico para entubação, então São Pedro hoje está bem servida, estamos no mercado tentando adquirir cada vez mais para oferecer segurança e bom atendimento para a população. Gostaria, Marino, se você me permitir, de agradecer a ajuda de toda a diretoria, da dona Silvia, que inclusive está a frente do projeto para a construção dessa nova unidade de UTI foi até um pedido meu, porque sabemos que é uma pessoa empreendedora e ela está a frente disso, é uma pessoa muito dedicada e agradecer a você Marino também que teve a gentileza de nos procurar e nos permitir que esses esclarecimentos fossem feitos e colocar o Hospital São Lucas a UPA a disposição dos munícipes obviamente dentro daquelas regras que devem ser obedecidas com relação aos atendimentos. Muito obrigado a todos e espero que Deus abençoe, nos proteja e vamos nos cuidar!”, encerrou a entrevista o novo presidente do Hospital São Lucas de São Pedro, o advogado o Dr. Luis Antonio Claret Olivieri.

Últimas Notícias

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta