Reunião busca diretrizes para a 7ª Conferência Municipal de Piracicaba

Foi realizada nesta semana a primeira reunião para discutir a 7ª Conferência Municipal da Cidade de Piracicaba, com previsão para acontecer em outubro. A reunião foi conduzida pelo diretor-presidente do Instituto de Pesquisas e Planejamento de Piracicaba (IPPLAP), Daniel Rosenthal, e um grupo de funcionários da atual gestão. Na Conferência também haverá eleição dos representantes da sociedade civil no Conselho da Cidade.

Durante a reunião, Rosenthal comunicou aos participantes os primeiros ajustes para a realização da eleição da sociedade civil do Conselho da Cidade, órgão colegiado consultivo e deliberativo que tem a finalidade de implementação de matéria urbanística e de política urbana. O grupo que está gerenciando as diretrizes para a Conferência é formado por Antonio Carlos Bonassi (diretor de Comunicação Social da Prefeitura), Fábio Dionísio (procurador do município), Maria Beatriz Silotto Dias de Souza (engenheira civil/Ipplap), Lídia Isabel Maria D´Arce Martins (engenheira agrônoma/Ipplap), Melissa Godtsfried (procuradora), Cristiane Roberta Mathias (procuradora) e Carlos Alberto Beltrame (secretário de governo).

De acordo com Rosenthal, o local e a data para realização da Conferência da Cidade ainda estão em estudo. “É importante citar que durante a Conferência será discutido o Plano Diretor de Cidades Inteligentes, uma oportunidade de pensarmos a cidade que temos, que queremos e podemos ter”, conta Rosenthal.

O Conselho da Cidade, que é vinculado ao Instituto de Pesquisas e Planejamento de Piracicaba e está definido na Lei Complementar nº 405/2019 do Plano Diretor de Desenvolvimento de Piracicaba, tem formação paritária e é composto por 16 membros do poder Executivo municipal e 16 da sociedade civil, num total de 32 membros e seus respectivos suplentes.

Os membros da sociedade civil são distribuídos da seguinte maneira: três representantes dos empresários (um do setor imobiliário, um do setor sucroalcooleiro e um dos demais setores econômicos); seis representantes dos movimentos sociais (um do sindicato de trabalhadores rurais, três do sindicato de trabalhadores urbanos e dois de movimentos populares ou associações de moradores); três representantes de organizações não governamentais, entidades técnicas ou profissionais e instituições de ensino ou pesquisa; quatro representantes das diferentes unidades de planejamento territorial, incluindo as regiões norte, sul, leste, oeste, centro e a Área Rural.

A definição da programação da 7ª Conferência Municipal da Cidade de Piracicaba e como a sociedade civil poderá participar, com direito a voto e a ser votada, será divulgada em todos os canais de comunicação da Prefeitura. “A participação da sociedade civil é fundamental no processo de formulação de políticas públicas, para que tenhamos uma Piracicaba mais justa, inclusiva e respeitando o meio-ambiente”, ressalta Rosenthal.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta