Em reunião na Prefeitura, Conespi reforça pedido de revogação do aumento na tarifa do transporte coletivo

Em reunião na Prefeitura, Conespi reforça pedido de revogação do aumento na tarifa do transporte coletivo

Em reunião nesta manhã de quarta-feira, 05 de janeiro, diretores do Instituto Conespi (Conselho das Entidades Sindicais de Piracicaba), entidade que representa cerca de 200 mil trabalhadores da ativa e aposentados, oficializou o pedido para que a Prefeitura revogue o aumento na tarifa do transporte coletivo da cidade, que foi reajustado em mais de 16% nesta última terça-feira, dia 4 de janeiro. Na reunião, realizada no terceiro andar do prédio do Centro Cívico, o presidente do Conespi, Wagner da Silveira, o Juca dos Metalúrgicos, estabeleceu um prazo de cinco dias úteis para que o prefeito Luciano Almeida, que está em férias e retorna na próxima segunda-feira, 10 de janeiro às atividades normais, para que a administração municipal se pronuncie sobre o pedido da entidade, que também foi reforçado por vereadores que integram a Mesa Diretora da Câmara.

No encontro, agendado pela Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Piracicaba, e que contou com as participações do secretário municipal de Governo, Carlos Beltrame; da secretária municipal de Trânsito e Transportes (Semuttran), Jane Franco de Oliveira; do procurador do município, Fábio Dionísio, e de Wanderley Quartarolo, técnico da Semuttran, responsável pelo planejamento do sistema de transporte coletivo do município, o vice-presidente do Instituto Conespi, José Antonio Fernandes Paiva, questionou a falta de diálogo da administração municipal com os movimentos sociais organizados, que acabam sendo surpreendidos pelas decisões da administração municipal e reforçou que o reajuste aplicado à tarifa do sistema de transporte irá prejudicar os trabalhadores que não tiveram o mesmo reajuste salarial e principalmente com os desempregados. A Mesa Diretora do legislativo esteve representada pelo presidente Gilmar Rotta e pelos vereadores Ana Pavão, Acácio Godoy e Thiago Ribeiro, que também cobraram a abertura de diálogo.

Por mais de duas horas, foi debatido o sistema do transporte coletivo que atualmente opera com 153 ônibus, número inferior aos 199 antes da pandemia, e que tem gerado descontentamento de usuários. Em respostas a questionamentos de diretores do Instituto Conespi e dos vereadores participantes, a secretária do Semuttran explicou que o reajuste, que elevou tarifa do transporte coletivo de R$ 4,80 para R$ 5,60 corresponde à inflação dos últimos dois anos e que sua aplicação realmente não foi pleiteado pela empresa que opera o sistema, mas sim da Prefeitura para tentar equilibrar as contas do sistema, uma vez que o custo da passagem atualmente é de R$ 6,20 e o novo contrato emergencial com a Tupi, que é de R$ 48 milhões por seis meses. A secretária explicou que atualmente a empresa recebe pelo trabalho realizado independente do número de passageiros que utilizam o sistema, que atualmente está em cerca de 1.250.000 mensal, contra 2.387.000 no ano de 2019, antes da pandemia.

Os secretários também garantiram aos dirigentes sindicais e aos vereadores que ninguém está autorizado a falar em nome da administração municipal, como tem divulgado nas redes sociais, desmentindo que já está acertada a empresa que será a vencedora da licitação aberta pela Prefeitura para contratar uma nova empresa para operar o sistema de transporte pelos próximos cinco anos. Jane Franco de Oliveira assegurou que no próximo dia 24 irá ocorrer apenas abertura dos envelopes das empresas concorrentes, mas assegurou que disputa para a definição da vencedora do processo irá se estender pelos próximos meses, sendo impossível que qualquer declaração nesse sentido possa ser verdadeira.

Na reunião, os presidentes dos Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Urbano, João Soares, assim como o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Papel, Papelão e Artefatos de Papel, Emerson Cavalheiro, e Fânio Luis Gomes, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação, também falaram da insatisfação dos usuários com o reajuste aplicado e também cobraram melhorias no sistema de transporte, com a colocação de mais ônibus para atender as necessidades da população. De acordo com o secretário de Governo, Carlos Beltrame, todas as colocações feitas na reunião serão levadas para conhecimento e avaliação do prefeito, uma vez que só cabe a ele decidir por atender aos pedidos de revogação do reajuste nas tarifas.  

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta