Bebel diz que mais de 90 entidades fazem carta ao governador contrária à volta às aulas

Bebel diz que mais de 90 entidades fazem carta ao governador contrária à volta às aulas

A presidenta da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), a deputada estadual Professora Bebel (PT) diz que em carta ao governo João Doria (PSDB), mais de 90 entidades que representam pais e professores afirmam que as redes de ensino devem fornecer condições para que os estudantes tenham aulas remotas. “No documento, enviado ao governador e às secretarias de Educação e Saúde, as instituições manifestaram contra a retomada de aulas presenciais em agosto, sem limite de alunos e com redução do distanciamento social para um metro”, ressalta a deputada.

Essas novas regras foram estabelecidas pelo governador João Doria, indo contra o protocolo de prevenção da pandemia permitindo, inclusive, que a volta às aulas seja feita com até 100% da capacidade, o que é rechaçado pela Apeoesp, uma das entidades que assinam o documento.

Na carta, as entidades reafirmam ainda que as medidas necessárias para a retomada das aulas presenciais com segurança, como a vacinação em massa dos profissionais da educação, ainda não foram alcançadas e alertam que isso poderá colocar a vida de alunos e funcionários em risco.

Para Bebel, “as escolas estão detonadas. Como você vai falar em higienização se você não tem a lavagem das mãos pelo menos? O segundo fator é que nem todas as escolas têm uma ventilação a contento. A outra questão é a vacinação 100% dos profissionais da educação nas duas doses. Não adianta dar a primeira dose, ter 14 dias e mandar (ao trabalho presencial). Não, tem que ser duas doses com mais de 14 dias de imunização, além claro de máscara

e álcool em gel. O que eu observo é que o governo está se atendo muito mais à máscara e ao álcool em gel. E não são somente esses dois equipamentos, embora muito importantes, que vão dar conta unicamente de conter a pandemia”, enfatiza a parlamentar e presidenta da Apeoesp.

Em suas redes sociais, Bebel publica material divulgado pelo portal Brasil 247 em que a diretora do Sindicato dos Professores de São Paulo (Sinpro-SP), Silvia Bárbara, diz que a decisão do governador Doria “é fruto da pressão política” de grupos organizados sob o governo. “Como alguns grupos de pais de escolas de elite, médicos pediatras que desde o ano passado vêm pressionando pelo retorno a qualquer custo e conseguiram. As aulas presenciais foram retomadas de maneira menos intensa no final de 2020. E de maneira mais intensa a partir do ano letivo de 2021”, observa a diretora.

Levantamento da Apeoesp, feito através de suas subsedes, revela que desde o retorno das aulas presenciais, determinadas pelo governo estadual, no início deste ano, com no máximo de 30% dos alunos, que na prática ficou em cerca de 5%, foram registrados 2724 casos de covid envolvendo profissionais da educação, em 1196 estabelecimentos de ensino público estadual, e 105 mortes.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta