A importância da Liderança Feminina: vantagens e desafios

Foto de Tima Miroshnichenko no Pexels

“A diferença entre uma comunidade destroçada e uma comunidade próspera é a presença de mulheres que são valorizadas” (Michelle Obama)

por Simone S. Santos (*)

Apesar das significativas conquistas sociais e políticas, no campo profissional as mulheres ainda precisam lutar por igualdade.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) preconiza o Empoderamento Feminino e a Igualdade de Gênero. Para a  ONU acabar com a discriminação de gênero e empoderar as mulheres é necessário para acelerar o desenvolvimento sustentável e contribuir para o desenvolvimento social e econômico do país.

Estudos mostram as vantagens das empresas investirem na liderança feminina pois, na maioria das vezes, elas passam a ter um clima organizacional mais leve já que as gestoras tendem a construir equipes mais solidárias, pautadas no respeito, empatia e na participação de todos.

Desafios impostos às lideranças femininas
O primeiro desafio que a mulher precisa vencer é a autossabotagem. Muitas mulheres chegam a negar cargos de chefia por medo de não atender às expectativas da companhia.  Outras, ao se tornarem chefes, cobram de si muito mais do que de seus colaboradores.

Outro desafio é vencer o preconceito das pessoas que ainda acreditam que mulheres são menos capazes de chefiar  e ajudar suas empresas a crescerem.

O estilo de liderança mais humanizado também sofre desconfiança de profissionais que preferem lidar com gestores mais controladores.

O maior e mais injusto desafio é conciliar as demandas familiares, impostas pela sociedade sexista, com as atividades profissionais.

Segundo a Organização Internacional do  Trabalho (OIT)  ainda há uma grande desigualdade nos países em desenvolvimento pois a força de trabalho feminina no mercado de trabalho é 26,5% menor que a dos homens.

Atualmente no Brasil temos muitas mulheres se destacando como líderes de grandes empresas, dentre elas Luíza Helena Trajano presidente do Magazine Luíza, Katia Vaskys gerente geral da IBM, Marina Silva sócia fundadora do Movimento Black Money e Ana Fontes Presidente do Instituto Rede Mulher Empreendedora.

Minha missão é fortalecer a liderança feminina, por isso eu ajudo Mulheres a se tornarem Líderes mais respeitadas, com forte  conexão com seus colaboradores e resultados melhores em suas empresas. Pois acredito que  empoderar mulheres é essencial para combater o preconceito, diminuir as desigualdades e promover uma sociedade mais justa e igualitária.

Simone Santos – Mestre em educação (UFF), escritora, palestrante, mentora de mulheres com a missão de fortalecer a liderança feminina e uma das 90 empreendedoras brasileiras selecionadas para participar da Academy for Women Entrepreneurs (AWE). Autora do livro “O pão nosso de cada dia nos dai hoje: alfabetização e trabalho de crianças catadoras de um lixão” e coautora do best-seller “As donas da p**** toda – vol. 1”, pela Literare Books International.

Fotos

Read Previous

Autismo na mídia: como a informação impacta na vida das pessoas com TEA

Read Next

Patrimônio cultural da cidade, jaracatiá é tema de programa da Rede Globo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.