Polícia Federal de Piracicaba deflagra Operação “Colcha De Retalhos” no Combate à Pedofilia

Polícia Federal de Piracicaba deflagra Operação “Colcha De Retalhos” no Combate à Pedofilia

Na sexta-feira passada, dia 20, a Polícia Federal de Piracicaba cumpriu em Leme dois Mandados de Busca e Apreensão e um Mandado de Prisão Temporária, expedidos pela 1ª Vara Federal de Limeira em face de F.R.S.A., de 31 anos, suspeito de produzir e compartilhar material de cunho pedopornográfico.

As investigações se iniciaram no Núcleo de Repressão aos Crimes de Ódio e Pornografia Infantil pela Internet (NURCOP), situado em Brasília e versam acerca das condutas de (i) estupro de vulnerável, (ii) produção de vídeo contendo pornografia infantil e (iii) armazenamento e compartilhamento do referido material.

No NURCOP foi produzido um minucioso Relatório, a partir de informações prestadas pelo NCMEC (“National Center for Missing and Exploited Children”), o qual é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, que recebeu apoio do Governo norte-americano para estabelecer um mecanismo centralizado de recebimento de “denúncias” sobre crimes relacionados a abuso sexual infantil e desaparecimento de crianças. O caso foi denominado “Colcha de Retalhos” pois o suspeito possivelmente filmou o abuso sexual de um menor em uma cama com uma colcha de retalhos singular.

As informações foram encaminhadas para Polícia Federal em Piracicaba em julho, onde os policiais empreenderam esforços para localização do suspeito e representação ao Juízo de medidas cautelares.

As medidas cumpridas contaram com o apoio do Conselho Tutelar e da Polícia Militar de Limeira.

Além do cumprimento da prisão temporária, o investigado também foi preso em flagrante pela posse de material de pedopornográfico em seu celular. F.R.S.A. responderá pelos crimes previstos nos artigos 217-A do Código Penal e 240, “caput”, e 241-A e 241-B do Estatuto da Criança e Adolescente.

Se condenado, as penas mínimas de tais crimes somam 16 anos de reclusão.

As investigações prosseguem para identificação do menor, vítima de abuso, que pode se tratar de uma das crianças que residia com o investigado.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta