ARTESP confirma que havia estudo para implantação de Praça de pedágio em Charqueada

ARTESP confirma que havia estudo para implantação de Praça de pedágio em Charqueada

Nesta terça-feira, dia 19, representantes da prefeitura e da Câmara Municipal de Charqueada, estiveram reunidos pela internet, com engenheiros e representantes da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) para tratar da implantação de praça de pedágio na rodovia que corta o município.

Na semana passada, o jornal “O Regional” mostrou com exclusividade o local de uma possível praça de pedágio, que ficava próxima aos bairros de Santa Luzia (Tabela) e Recreio, o que prejudicaria os moradores daqueles locais e da cidade e a informação da ARTESP, segundo fontes que participaram da reunião, é que realmente havia um estudo neste sentido.

A reunião aconteceu a pedido da Prefeitura de Charqueada e contou com a participação da secretária de Governo, Valkíria Callovi, Carlos Eduardo Del Pino representando o jurídico o engenheiro da prefeitura, Nilton Henrique da Silva e a diretora da Artesp, Renata Perez Dantas.

Também participaram da reunião, os vereadores Naldo Davanzo, Wilson Tietz, Professor Rogerinho, Romero Rocca, Vinicius Roccia, Dinho Morelli e o cidadão Gilson Tietz.

Na semana passada e nesta semana, antes da reunião, foram realizadas, manifestações contra a instalação foram feitas por lideranças como o atual presidente da Câmara Municipal, Naldo Davanzo (PSD), o pré-candidato a prefeito Ulisses Roccia (PP) e o pré-candidato a prefeito e vereador Romero Rocca (PSDB).

Romero Rocca, mesmo destacando ser contra o novo pedágio, chegou a classificar o assunto noticiado pelo Jornal O Regional como “fake news”, no entanto, as informações realmente dão conta de que haviam ou ainda há projetos para a instalação de uma praça no Km 187, o que foi confirmada na reunião das autoridades com a própria ARTESP.

Além deles, moradores da cidade, vereadores e outras lideranças repudiaram a possibilidade de instalação do pedágio neste trecho da rodovia.

O ponto positivo é que durante a reunião, a ARTESP informou, de antemão, que um novo estudo será realizado para que os moradores da região e até mesmo de Piracicaba, não sejam prejudicados.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta