O que muda com a Ampliação do Teste do Pezinho?

Projeto de lei sancionado pelo Governo Federal amplia o número de doenças diagnosticadas pelo Teste do Pezinho

Na última quarta-feira (26 de maio), o presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 14.154/2021, que amplia o número de doenças que podem ser diagnosticadas pelo Teste do Pezinho. A previsão para a lei entrar em vigor é a partir de maio de 2022.

“Trata-se de uma conquista importante, mas quando falamos em ampliação do Teste do Pezinho, precisamos considerar que é necessário ter em todo o país centros de referência para tratar as doenças via SUS, como está sendo feito no município de São Paulo, onde toda a rede de saúde está sendo preparada para triar os bebês e acompanhar os casos com diagnóstico positivo oferecendo todos os recursos necessários”, comenta Daniela Mendes, superintendente geral do Instituto Jô Clemente, antiga Apae de São Paulo.

Na maior parte do país, o Teste do Pezinho oferecido na rede pública pelo Sistema Único de Saúde (SUS) contempla a análise de seis doenças (fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, fibrose cística, anemia falciforme e demais hemoglobinopatias, hiperplasia adrenal congênita e deficiência biotinidase). Já o teste ampliado pode detectar pelo menos 50 doenças. Na capital paulista, os bebês nascidos na rede pública já têm acesso ao Teste do Pezinho Ampliado.

Sendo pioneiro na realização do exame no país, o Instituto Jô Clemente implementou o Teste do Pezinho no Brasil em 1976 e, desde 2001, este é um Serviço de Referência em Triagem Neonatal (SRTN) credenciado pelo Ministério da Saúde, tendo sido um dos principais responsáveis pelo surgimento das leis que obrigam e regulamentam esta atividade, que se tornou conhecida por “Teste do Pezinho”. Atualmente, o IJC é responsável pela realização da triagem de 80% dos bebês nascidos na capital paulista e 67% dos recém-nascidos do Estado de São Paulo. O laboratório da organização é o maior do Brasil em número de exames realizados e desde a sua implantação triou mais de 17 milhões de crianças brasileiras. Somente em 2020, foram triados 387.176 bebês, totalizando 2.567.816 exames. Este ano, entre janeiro e abril, foram realizados 1.003.858 exames, dos quais 265.360 foram do Teste do Pezinho Ampliado.

SUGESTÕES DE PERGUNTAS:

• Qual a importância da realização do Teste do Pezinho Ampliado?

• Por que alguns estados brasileiros realizam o teste ampliado e outros apenas o teste que contempla a análise de seis doenças?

• O Teste do Pezinho para imunodeficiências primárias pode gerar uma economia financeira de quanto no custo por paciente?

• Quais doenças raras o Teste do Pezinho Ampliado pode diagnosticar?

• Qual o período mais adequado para detectar precocemente anormalidades, mesmo assintomáticas, nos bebês recém-nascidos?

SUGESTÕES DE FONTES:

• Dr. Antonio Condino Netto – Imunologista e consultor técnico do Laboratório do Instituto Jô Clemente

• Dra. Fernanda Monti – Neurologista infantil e consultora em Erros Inatos do Metabolismo no laboratório do Instituto Jô Clemente.

• Daniela Mendes – Superintendente geral do Instituto Jô Clemente.

Sobre o Instituto Jô Clemente

O Instituto Jô Clemente é uma Organização da Sociedade Civil sem fins lucrativos que há 60 anos previne e promove a saúde das pessoas com deficiência intelectual, além de apoiar a sua inclusão social e a defesa de seus direitos, produzindo e disseminando conhecimento. Atua desde o nascimento ao processo de envelhecimento, propiciando o desenvolvimento de habilidades e potencialidades que favoreçam a escolaridade e o emprego apoiado, além de oferecer assessoria jurídica às famílias acerca dos direitos das pessoas com deficiência intelectual. Pioneiro no Teste do Pezinho no Brasil e credenciado pelo Ministério da Saúde como Serviço de Referência em Triagem Neonatal, o Laboratório do Instituto Jô Clemente é o maior do Brasil em número de exames realizados e oferece, atualmente, o Teste do Pezinho Ampliado na rede pública do município de São Paulo, contemplando o diagnóstico preoce de até 50 doenças, incluindo dezenas de condições raras. Por meio do CEPI – Centro de Ensino, Pesquisa e Inovação do Instituto Jô Clemente, a Organização gera e dissemina conhecimento científico sobre deficiência intelectual com pesquisas e cursos de formação.  Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 5080-7000 ou pelo site: www.ijc.org.br  

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta