Workshop discute políticas para o desenvolvimento rural de Ipeúna

O IV Workshop Políticas de Desenvolvimento Rural: informação como base do conhecimento realizado na manhã desta terça-feira (20), no Plenário da Câmara de Vereadores de Ipeúna, marca mais uma parceria entre a Prefeitura de Ipeúna e a Unesp Rio Claro, por meio do Centro de Análise e Planejamento Ambiental (Ceapla), do Instituto de Geociências (ICGE), e dá início ao projeto de pesquisa que tem por objetivo subsidiar o planejamento em políticas públicas no âmbito rural no município de Ipeúna. O evento reuniu gestores locais, docentes, representantes de conselhos e entidades e empreendedores rurais.

Na abertura, a professora Darlene de Oliveira Ferreira, coordenadora do evento, reforçou que o tema é de fundamental importância para o município e lembrou ainda que essa parceria entre a universidade e o poder público, por meio de convênio, proporcionará a oportunidade de conhecer e debater demandas, promovendo estudos que envolvam parâmetros teóricos e análise da situação atual da pequena propriedade e do desenvolvimento rural, resultando em propostas de políticas públicas. “Esse workshop é o pontapé inicial deste projeto”.

O prefeito Ildebran Prata, resgatou um pouco da história da agricultura no município, relembrando a produção de café nas fazendas Boa Vista, Itaiba, Beri, Fazendão, entre outras, primeira atividade agrícola à época da formação do município. “Com a queda do café, em 1930, passou-se à criação de gado bovino e à plantação de cereais, principalmente, arroz. A cana de açúcar veio para o município por volta de 1940. A exploração de calcário, que ainda hoje é produzido aqui, serve para calagem da terra e distribuído por todo o Brasil”. Para o prefeito, esse projeto inédito no município é de extrema importância para alavancar o desenvolvimento rural em Ipeúna.

Dando início à mesa redonda, a primeira apresentação do workshop, trouxe um breve histórico com informações importantes sobre o município. Em seguida, o presidente do Conselho Municipal de Segurança (Conseg), Idevaldo Prata Junior falou sobre as atribuições do Conseg e sua atuação no município na promoção da segurança e bem-estar da comunidade, principalmente da comunidade rural. Já o engenheiro agrônomo Luiz Scotton, da Casa da Agricultura, apresentou informações sobre levantamentos realizados pela Casa da Agricultura e mapeamento rural, com dados relevantes sobre o segmento no município.

Encerrando a mesa redonda, o representante da Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé (Cooxupé), Rafael Carlos Bispo apresentou o case “Sistema de informação geográfica Cooxupé”, que permite o planejamento e gerenciamento da produção de café. Bispo apresentou o sistema de mapeamento: metodologia, alimentação de dados, desafios, problemas enfrentados e eficiência e benefícios do sistema. A exposição também contemplou os resultados gerados pelo sistema de gerenciamento, como: informações atualizadas e precisas sobre a produção cafeeira de todos os cooperados, época da colheita, logística, manejo, ocorrência de pragas, características ambientais do café, qualidade do café, gerenciamento da propriedade, entre outras informações.

A partir das apresentações, a professora Darlene destacou que Ipeúna apresenta muito potencial para a criação de um banco de dados para essas informações. “Temos inicialmente dois caminhos a seguir em nossas pesquisas: um mapa com todas as estradas rurais, permitindo que as pessoas que precisem chegar à área rural consigam se locomover com mais exatidão, isso vem ao encontro dos objetivos do Conseg e da Polícia”, afirma.

A outra tarefa da pesquisa, segundo a professora, é um levantamento mais amplo e detalhado. “Caracterizar o perfil das famílias que estão no campo hoje, com dados demográficos e também de suas propriedades, com condições físicas, infraestrutura, uso da propriedade, cultura desenvolvida, conhecimento do potencial turístico, paisagístico, arquitetônico, turismo de aventura, entre outros dados”. Ela também abordou a questão do meio ambiente. “O mapeamento poderia contemplar ainda a existência de nascentes nas propriedades, considerando a manutenção dessas nascentes e a preservação ambiental”, afirma.

A previsão é a de que a partir de novembro deste ano, as primeiras pesquisas-testes já estejam sendo realizadas em campo. “Esse é um trabalho de pesquisa bastante minucioso e elaborado, que exige não só o nosso trabalho de pesquisa, mas principalmente, que o produtor rural colabore, respondendo aos questionários. Nossa expectativa é a de que dentro de um ano já tenhamos resultados preliminares”, afirmou.

1 comentário

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta

1 Comentário

  • IDEVALDO PRATA JUNIOR
    24/09/2016 14:51

    Parabéns pelas notícias e coberturas relevantes, se destacando cada vez mais como uma ferramenta ímpar de comunicação, divulgando sempre a nossa Região a nível Estadual.

    Nosso Muito Obrigado pela parceria.

    Idevaldo Prata Junior.

    Presidente do Conseg de Ipeúna-SP.

    RESPONDER