Morador apresenta reivindicações do Bairro Serra Verde na Câmara em São Pedro

Morador apresenta reivindicações do Bairro Serra Verde na Câmara em São Pedro

Nesta segunda-feira, dia 15 de fevereiro, durante a sessão ordinária da Câmara Municipal de São Pedro, o morador e vice-presidente da Associação dos Moradores do bairro Serra Verde, Mario César Leutwiler, fez uso da palavra, relatando as necessidades e também algumas conquistas que o bairro conseguiu até agora.

Mario Cesar exerceu por quase 40 anos atividades na gestão pública, tendo inclusive sido Secretário Municipal de Desenvolvimento Social em São Pedro.

Ele falou sobre a conquista na coleta de lixo que passou a ter regularidade, sobre a conquista de internet, embora com alguma deficiência entres outras.

Falou sobre um problema que o bairro enfrenta que é relacionado a sua manutenção, a manutenção das vias públicas.

“Sabemos que desde o início tudo foi feito de maneira errada. A aprovação e liberação de loteamento sem a menor condição. era um loteamento considerado por anos como rural, mas seus moradores sempre pagaram o IPTU, que é imposto territorial urbano. Depois de lei aprovada nessa Casa de Leis, o Serra Verde passa a ser um abairramento (bairro afastado) do município de São Pedro. Bom, mas só no papel. Nossas ruas e avenidas, são cuidadas por funcionários do próprio Serra Verde. Nossa água, só temos porque mantemos 3 poços artesianos, e mantemos a rede, que aliás também é nossa. Até a rede elétrica era nossa, mas foi cedida a CPFL há alguns anos, apesar de ainda continuarmos com algumas ruas às escuras. Saneamento básico, guias e sarjetas, isso nem pensar. E nem sonhamos que aconteça a médio prazo”, disse o vice-presidente.

Em seguida Mario César abordou também as precariedades da iluminação pública, ressaltando que os postes ainda são de madeira e também não tiveram até hoje uma lâmpada nova instalada no bairro, o que faz o mesmo ter diversas ruas escuras.

Mário Cesar destacou ainda que infelizmente o bairro não pode contar com a presença das forças policiais.

“Segurança só a nossa própria, feita por oito funcionários, que pagamos para isso”, afirmou.

Temos como moradores: advogados, médicos, juízes, policiais militares, bombeiros e outros malucos como eu que em parceria diuturna com os funcionários da associação de moradores, procuramos garantir a segurança do bairro.

• Polícia Militar, visitas esporádicas com o programa de vizinhança solidária; Guarda Municipal, ausente e Polícia Civil, também ausente, ou seja, estamos por nossa conta.

O morador destacou ainda a precariedade no acesso para o bairro.

“Imaginem, que esse povo todo do bairro Serra Verde, adentra ao bairro, graças à maquinas de nossa fazenda vizinha, por uma rotatória simples. Tal acesso fica em local perigoso nos dois sentidos, mal sinalizado e fora de qualquer especificação técnica de uma estrada no mínimo normal, temos cuidado do acostamento com nosso trator, da maneira que podemos, mas sem a menor condição técnica”, ressalta.

“Gente, ninguém liga, e é só pegar e analisar as ocorrências de acidentes nos últimos anos, estatística não mente, para que alguém se sensibilize com o problema. volto a lembrar os senhores. Somos um bairro de São Pedro. Será que alguém não tinha que nos ajudar junto ao DER para melhorar nosso acesso, com uma rotatória descente e sinalizada. Será que da pra sonhar com um transporte coletivo, pelo menos 4 vezes ao dia?”, indagou ele. Tínhamos um radar próximo ao nosso acesso, foi retirado e voltamos a ter acidentes com frequência.

Ele finalizou ainda destacando as dificuldades em relação às correspondências destinadas ao bairro.

“Para minimizar o problema, alugamos uma caixa postal de n. 141, e temos um funcionário (pago novamente por nós moradores), que vem retirar a correspondência somente duas vezes por semana, por imposição do próprio Correio, alegando não ter tempo, nem funcionário para separar nossa correspondência todos os dias. E olha que não estamos morando no interior da Amazônia”, afirma.

“Temos absoluta certeza que a partir de hoje terão um olho no povo do bairro serra verde, que em número, hoje podem eleger um vereador. Estamos cansados com o descaso das autoridades, a anos, em todos os níveis. Lembro que toda negligencia tem um preço material, ou de vidas, em função do que relatei a todos”, afirmou o morador.

Outro e o principal ponto abordado foi a necessidade da regularização dos imóveis.

“Deveria existir uma parceria entre as autoridades para facilitar a legalização da documentação.

Providências e boa vontade conjuntas, da municipalidade, do poder judiciário, dos respectivos cartórios, tendo em vista a facilitação na regularização do registro de imóveis no bairro Serra Verde.

Não consigo entender que o morador, o proprietário tem todo o interesse em regularizar o seu imóvel, consequentemente irá contribuir com muito mais IPTU para o município e nenhuma autoridade teve a sensibilidade de fechar essa parceria.

Vejam: são 428 lotes com mais de 70% construídos, mais de 200 famílias residentes, analisem quanto o município está deixando de arrecadar.

Segundo o prefeito o assunto será tratado no plano de governo (Regulamentação Fundiária)”, disse.

“Temos absoluta certeza que a partir de hoje os senhores terão um novo olho no povo do bairro Serra Verde que, em número, hoje pode eleger um vereador.

Estamos cansados com o descaso das autoridades há anos em todos os níveis. Lembro que toda negligência tem um preço material, ou de vidas, em função do que relatei a todos.

Somos, acho, a única comunidade de São Pedro que é parcialmente autossuficiente, e se propôs a abrir parcerias com o poder público para em conjunto resolvermos nossos problemas, visto que já pagamos por isso”, finalizou Mario Cesar entregando cópias de suas reinvindicações nas mãos dos vereadores Dr. Luciano Veterinário e Professora Alessandra Pisco.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta