Prefeito determina levantamento para possível reativação do Centro Comunitário de Torrinha

Local esta abandonado há 13 anos

Ao assumir a administração em Torrinha, o prefeito Ronaldo Gasparelo (PV), se deparou com diversas situações e problemas a serem resolvidos, entre elas a situação caótica do Centro Comunitário da cidade, que está abandonado há mais de 13 anos após acidente que vitimou uma criança.

Estudos preliminares realizados pela administração já vem apontando alguns dados, que serão avaliados pelo prefeito e sua equipe de trabalho.

Entre eles está o fato de que a entidade não tem receita própria e sempre foi custeada pelo Poder Público.

Apesar da crise financeira a administração estuda a possibilidade de reativar o importante espaço de lazer e disponibilizar novamente para uso da comunidade, o que será analisado diante de maiores informações que estão sendo levantadas.

O prefeito Ronaldo Gasparelo explica que essa é uma das demandas que a administração analisa.

Prefeito determina levantamento para possível reativação do Centro Comunitário de Torrinha


Prefeito determina levantamento para possível reativação do Centro Comunitário de Torrinha – Foto: Divulgação

“Sabemos que o Centro Comunitário sempre foi um espaço de convívio social e que há anos está desativado. Determinei que seja realizado um amplo levantamento da situação e as primeira informações não são nada animadoras, o local esta totalmente destruído”, contou o prefeito.

Por ser uma entidade publica, estaremos estudando a questão da reativação do local, analisando as questões jurídicas, financeiras e outras que envolvem essa possibilidade.

“Sua reativação vai demandar de muito investimento, estaremos analisado todas as possibilidades legais. Iremos fazer um levantamento de custo e iremos atrás de recurso para que nossa população tenha um espaço para seu lazer. Outra questão importante que será analisada, será a questão de sua interdição devido a tragédia quando um garoto perdeu a vida na piscina e lamentamos esse fato, no entanto teremos que ver como será possível sua reabertura”, explicou.

 

 

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta