Santa Casa Piracicaba quer ser referência em sustentabilidade ambiental na área da saúde

Santa Casa Piracicaba quer ser referência em sustentabilidade ambiental na área da saúde

Imagine atuar para aumentar o volume de recicláveis e, assim, reduzir a quantidade de resíduos que iriam para o aterro sanitário e seu impacto negativo ao meio ambiente, ao mesmo tempo em que promove a educação ambiental dos funcionários e  gera recursos financeiros adicionais para o Hospital.

foto: Divulgação Comissão de Saúde Ambiental da Santa Casa de Piracicaba quer tornar o hospital referência em sustentabilidade ambiental na área da saúde

Com esta proposta, a Comissão de Saúde Ambiental da Santa Casa de Piracicaba reverenciou o Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado na quarta-feira, 05 de junho, enfatizando o compromisso da Instituição com ações sustentáveis para a melhoria de processos com a consequente redução de desperdícios e recursos. “A ideia é  tornar o hospital referência em sustentabilidade ambiental na área da saúde”, disse a funcionária Luciana Zambon Pedrosa, presidente da Comissão de Saúde Ambiental.

Segundo ela, a proposta foi idealizada com o apoio do engenheiro ambiental Douglas Brunelli. “Ele é voluntário e está nos ajudando a responder questões chaves para que possamos entender como reduzir cada vez mais os impactos ambientais, melhorar processos e ainda otimizar recursos”, disse Luciana.

Ela explica que o programa funciona de forma contínua e permanente, com reuniões periódicas e ações de conscientização dos colaboradores sobre questões ambientais e melhorias de processos hospitalares. “Essa combinação de educação ambiental e ações práticas resulta na entrega de serviços de melhor qualidade para os clientes atendidos pela Santa Casa”, disse.

À frente da proposta, Douglas Brunelli revela que os principais materiais segregados no Hospital são papel e papelão. “Com base no resultado do diagnóstico ambiental realizado no Hospital, porém, percebemos que a Instituição apresenta um bom potencial também para a reciclagem de plásticos diversos, garrafas de água e embalagens Tetra Pak, entre outros materiais”, disse o engenheiro, que no início do projeto contou com o apoio também dos engenheiros ambientais Sérgio de Paula Alves e Letícia dos Santos Santiago .

Ele aponta a grande quantidade de pessoas que circula diariamente pelas dependências do Hospital e revela que o estudo permitiu avaliar o volume de resíduos gerado, a quantidade de recicláveis e ainda elaborar pesquisa de percepção ambiental dos colaboradores. “O resultado nos surpreendeu e demonstrou que a grande maioria dos funcionários se preocupa com as questões ambientais e se mostra engajada em melhorar seu ambiente de trabalho para otimização de processos e redução, por exemplo, da geração de resíduos, do consumo de água e do desperdício de alimentos.

Douglas e Luciana revelam que o plano de ação teve início junto à área designada para o depósito de recicláveis no Hospital, que será ampliada.   As demais ações estão sendo embasadas na educação ambiental contínua dos colaboradores com vistas ao descarte correto de resíduos, ao aumento do volume de materiais recicláveis, à diminuição do desperdício de alimentos no refeitório, à economia de insumos e à redução de descartáveis, bem como à economia de água e de energia. “Estamos certos de que teremos resultados fantásticos a médio prazo”, disseram.

 

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta