Santa Casa de Piracicaba reuniu especialistas de sua Unidade Cardiológica para responder a dúvidas mais frequentes sobre Hipertensão

Associada a doenças gravíssimas, ela é inimiga da saúde pública e costuma devastar a qualidade de vida dos menos prevenidos.  Está entre as principais causas de morte no mundo inteiro e atinge 25% da população brasileira, sendo uma das principais causas de infarto agudo do miocárdio e derrames.

Foto: Divulgação

Por isso, em alusão ao Dia Nacional de Combate à Hipertensão, lembrado na quinta-feira dia 26 de abril, a Santa Casa de Piracicaba reuniu especialistas de sua Unidade Cardiológica, o EMCOR, para trazer orientações e falar sobre os perigos reais e eminentes de uma patologia que, quando não diagnosticada ou mal acompanhada, traz riscos seríssimos à saúde e à vida.

Pergunta: O que é hipertensão arterial?

Resposta: Dra. Fernanda Mendes

Hipertensão arterial é uma condição clínica multifatorial caracterizada pela elevação sustentada dos níveis pressóricos. Ela ocorre quando os valores das pressões máxima e mínima são iguais ou ultrapassam os 140/90 mmHg (ou 14 por 9). É agravada pela presença de outros fatores de risco, como dislipidemia, obesidade, intolerância à glicose e diabetes melito.

Pergunta: Quais os sintomas da hipertensão?

Resposta: Dr. Fábio Guidetti

Hipertensão arterial é doença traiçoeira; só provoca sintomas em fases muito avançadas ou quando a pressão arterial aumenta de forma abrupta e exagerada. Algumas pessoas, porém, podem apresentar sintomas, como dores de cabeça e no peito, tonturas, alterações visuais, entre outros sinais de alerta.

Pergunta: Como é feito o diagnóstico?

Resposta: Dr. Luis Gustavo Ramos

É necessária uma avaliação inicial com o médico cardiologista para aferição da pressão arterial utilizando-se técnica adequada e equipamentos validados, assim como investigação da história pessoal e familiar, e exame físico. Quando indicada, a avaliação da pressão arterial fora do consultório é feita através da MAPA ou da MRPA, que são exames que fornecem a variação da pressão ao longo do dia e contribuem para o diagnóstico.

Pergunta: A quais riscos está exposto o hipertenso?

Resposta: Dr. Dairo Bicudo Piai Jr

A hipertensão arterial é uma doença crônica que pode ocasionar  complicações  agudas, a exemplo do infarto agudo do miocárdio, acidentes vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico), dissecção aguda da artéria aorta e falta de ar devido a edema agudo de pulmão. São acometimentos agudos de muita gravidade caracterizados como emergências devido ao risco de vida.

Já a longo prazo, a hipertensão arterial pode ocasionar inchaço e dilatação do coração , levando a um quadro de falta de ar, insuficiência renal crônica (uma das principais causas que levam os pacientes a fazer hemodiálise), cegueira , dilatação da artéria aorta , doença arterial periférica (com risco de amputação dos membros inferiores) e doença isquêmica do coração, o que pode resultar em quadro anginoso.

Pregunta: Quem tem mais chances de ser hipertenso?

Resposta: Dra. Brenda Larisse de Albuquerque Merli

Parentes de hipertensos têm mais chances de se tornar hipertensos. A idade é outro fator, pois à medida que envelhecemos a pressão tende a aumentar; assim como o excesso de peso corporal, consumo de alimentos embutidos ou muito salgados, ausência de atividade física e o consumo de álcool podem elevar perigosamente a pressão arterial, além de dificultar o tratamento.

Vale destacar que os diabéticos têm duas vezes mais chances de desenvolver hipertensão e que alguns medicamentos, como os anticoncepcionais descongestionantes nasais, podem levar à hipertensão.

Pergunta: Como é feito o tratamento?

Resposta: Dra. Fernanda Mendes

O controle da hipertensão arterial consiste nas mudanças no estilo de vida, associadas ao tratamento medicamentoso. Afinal, quando mudamos para melhor o nosso estilo de vida, inserindo a atividade física regular e uma alimentação saudável em nossa rotina,  com a consequente redução do consumo de sódio, perda de peso, controle de estresse emocional e fim do tabagismo, eliminamos os principais fatores de risco para a hipertensão.

Já o tratamento medicamentoso é definido pelo médico cardiologista, de acordo com as particularidades de cada paciente. Normalmente o tratamento proposto é muito bem tolerado, com pouco ou nenhum efeito colateral.

Pergunta: É possível ao hipertenso levar uma vida normal?

Resposta: Dr. Humberto Magno Passos

Sim, o tratamento adequado e otimizado dos pacientes hipertensos visa exatamente preservar a qualidade de vida e trazer segurança para que todas atividades, sejam elas do ponto de vista social, lazer, trabalho  e da atividade física, possam ser realizadas com segurança e sem prejuízos ao indivíduo.  Portanto, reconhecer a hipertensão e tratá-la adequadamente é condição fundamental para uma qualidade de vida e longevidade saudáveis.

Pergunta: É possível prevenir a hipertensão? Como?

Resposta: Dr. Humberto Magno Passos

Sim, de certa forma é possível prevenir; e quando não é possível, temos a possibilidade de retardar o seu início. Também é verdade que uma vez hipertenso e bem orientado em relação a mudanças de hábitos e estilo de vida, podemos usar menor dosagem ou quantidade de medicações para o controle da hipertensão.

Portanto, a prevenção deve sempre nortear a conduta quando falamos de hipertensão e seus indesejados efeitos deletérios sobre os diversos aspectos da saúde.

Foto-legenda: Os cardiologistas  Luis Gustavo Ramos, Brenda de Albuquerque Merli, Humberto Passos, Fábio Guidetti, Fernanda Mendes, Dairo Bicudo Júnior

 

Últimas Notícias

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta