Falta de computadores para alunos dever ser resolvida pelo Governo, afirma Deputada Bebel

Falta de computadores para alunos dever ser resolvida pelo Governo, afirma Deputada Bebel

Para a presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), a deputada estadual, Professora Bebel (PT), o Estado falhou ao deixar de investir e modernizar a educação, mas que tem como resolver o problema dos alunos que não tem computadores para acompanharem as aulas online.

Para a parlamentar, “estamos hoje com o modelo de escola que Dom João 6º implantou: lousa, giz e apagador. Veio a pandemia e ficou claro que estamos na quarta revolução industrial, em plena era digital, e os jovens convivendo com celulares e tecnologia, mas nas escolas não”, afirmou a sindicalista.

Diante desta realidade, Bebel afirma que a pandemia deixou claro o quão desigual é a educação no Estado de São Paulo. “Enquanto alguns têm três refeições, outros têm uma. O Estado conseguiu enxugar os custos nessa pandemia e tem dinheiro para fazer convênio com universidades e pegar computadores emprestados para alunos de baixa renda”, afirmou ela em entrevista à BBC News Brasil em São Paulo, nesta semana.

Levantamento feito pelo Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) e o Dieese, a pedido da Apeoesp, identificou que 82% das escolas não têm mais de 2 banheiros e não possuem bebedouros. Dessa maneira, os alunos bebem água no bico das torneiras e pias. “Isso está em descompasso com o ambiente seguro que o secretário da Educação relatou nas escolas. Não tem sentido voltar às aulas como estão as coisas. Haverá perdas para a criança e para o professor, mas nada que você não consiga resolver num pós pandemia. Estão morrendo pessoas de 30 anos, mas os professores só serão vacinados acima dos 47. Vamos bater o pé para que a vacinação seja para todos”, disse Bebel.

É em função disso que a Apeoesp defende a manutenção da greve da categoria sob o argumento de que as escolas não estão preparadas para o retorno do ensino presencial. Levantamento da subsede da Apeoesp em Piracicaba também revela a baixa frequência de alunos em sala de aula, ficando bem abaixo dos 35% estabelecidos pelo governo estadual, mostrando que os pais estão tendo consciência dos riscos do retorno das aulas neste momento face à pandemia do coronavírus e não enviando seus filhos às escolas. A realidade na maior parte das escolas, conforme professores que não querem ser identificados, é de que os alunos que têm frequentado as aulas presenciais são em função da merenda ou por não ter ferramentas para acompanhar as aulas online de suas casas.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta