Cinema e debate: Documentários sobre a Amazônia e povos indígenas são exibidos no Sesc Piracicaba

Desde quarta-feira, dia 13 de março até o dia 03 de abril, o Sesc Piracicaba realiza o “Cinedebate – Bem Viver, Modos de Vida e Sustentabilidade”.

O projeto exibe produções audiovisuais brasileiras que revelam as múltiplas dimensões da atual crise socioambiental planetária, acompanhada do diálogo com diretores, especialistas e público participante, visando potencializar conexões e ações cotidianas voltadas à transformação.

As exibições acontecem no teatro da unidade, são gratuitas e tem retirada de ingressos com 1h de antecedência.

Na primeira edição foi exibido o documentário “Sob a pata do boi”, que mostra o impacto da pecuária na Amazônia, que tem hoje 85 milhões de cabeças de gado, três para cada habitante humano.

Na década de 1970, o rebanho era um décimo desse tamanho e a floresta estava quase intacta.

Desde então, com a chegada de milhares de fazendeiros, uma porção da floresta equivalente ao tamanho da França desapareceu.

A pecuária tornou-se bandeira econômica e cultural, forjando poderosos políticos   para defendê-la.

O jogo começou a virar quando o Ministério Público obrigou os grandes frigoríficos a monitorarem o desmatamento onde compram gado.

Após a exibição, foi realizado debate com a presença de Juliana Tinoco (roteirista), Marina Piatto (Imaflora) e Edson Vidal (USP).

A Amazônia detém o maior reservatório de carbono do mundo e é fundamental para o futuro do planeta, tornando-se peça-chave nas   discussões sobre as mudanças climáticas que estão em curso. Odocumentário “Amazônia Climática: a floresta de hoje e do amanhã” será realizado no dia em 29, uma sexta-feira, às 19 horas e aborda essa relação entre a Amazônia e o clima
através de uma narrativa cuidadosamente construída com entrevistas de renomados cientistas e especialistas no tema.

Após a exibição, debate com a presença de Tainá de Luccas (diretora), Jean Ometto (INPE) e Marcos Sorrentino (USP).

Já no 3 de abril, quarta-feira, às 19h, será exibida a série documental “Índio Presente”, que mostra que no Brasil muitas pessoas ainda veem os índios no passado ou sem perspectiva de futuro. Produzida em 2017, a série visitou   dezenas de povos indígenas em diferentes Estados brasileiros para desconstruir, em 13 episódios, os principais estereótipos sobre estes grupos.

Exibição dos episódios “Equívoco 1 – Os índios estão acabando” e “Equívoco 10 – Tem muita terra para pouco índio”, seguida de debate   com a presença de Bruno Villela (diretor), Evandro dos Santos (Terra Indígena Jaraguá) e Edmilson Batista (Coletivo Itaendy).

Além dessas exibições, o projeto “Cinedebate”, conta com a oficina “Por que falamos em aquecimento global?”, com o educador ambiental, Filipe Salvetti Nunes.

Essa oficina-intervenção chama a atenção do público quanto aos problemas das mudanças climáticas, explicando de forma experimental e sensitiva o que é o efeito estufa, os gases de efeito estufa e de que forma o modo de produção sustentável e o consumo consciente podem minimizar os impactos negativos do clima em mudança.

A atividade acontece nos dias 23 e 24, próximo sábado e domingo, às 12 horas no hall do teatro. A entrada é gratuita.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta