Espetáculo no Sesc Piracicaba relata a experiência de ser homem negro na periferia de SP

“Farinha com Açúcar ou Sobre a Sustança de Meninos e Homens” é a materialidade cênica e poética que o dramaturgo, ator e diretor Jé Oliveira, do Coletivo Negro, escolheu para formalizar sua investigação sobre a construção da masculinidade negra periférica. A peça-show, como é entendida, será apresentada na próxima quarta, 22 de novembro, às 20h00, no Teatro do Sesc Piracicaba. Os ingressos custam entre R$ 3 e R$ 10 e já estão à venda nas bilheterias das unidades ou pelo portal sescsp.org.br/piracicaba.

A apresentação integra o projeto especial Expressões Afro destaque neste mês devido ao Dia Nacional da Consciência Negra, com ações que objetivam o fortalecimento e reconhecimento de diferentes culturas, bem como o fomento ao respeito pelas diferenças, com o intuito de refletir sobre a construção de variadas identidades e valorizar a pluralidade de manifestações e expressões culturais afro.

A obra busca uma relação íntima com o público por meio da palavra falada e cantada e, para isso, utiliza-se da construção poética da presença cênica. Paisagens sonoras e imagéticas se materializam por meio do ato de contar, expor, refletir e dialetizar a experiência de ser negro na urbanidade. A peça é também tributária ao legado dos Racionais Mc’s e rendeu a Jé Oliveira a contemplação no 6º Prêmio Questão de Crítica em 2017.

“Espetáculo no Sesc Piracicaba relata a experiência de ser homem negro na periferia de SP” – Foto: André Murrer fotografia

Processo de criação: Durante um ano foram entrevistados 12 homens negros de diversas idades e ocupações, com a intenção de verificar alguma unidade nas trajetórias e buscar inspiração para a construção de uma narrativa sobre suas experiências. A peça representa uma afirmação de luta. “Esse espetáculo é uma intenção sobre a vida, é uma afirmação da existência mesmo sob os escombros. Os encontros que tive com cada entrevistado foram de vida que pulsa e espero ter traduzido um pouco disso na encenação”, destaca Oliveira.

Prêmios: A peça rendeu a Jé Oliveira a contemplação no 6º Prêmio Questão de Crítica; a pesquisa e criação do espetáculo foi contemplada na XXV Edição da Lei de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo, com estreia e temporada no Sesc Pompeia em março de 2016 e já soma apresentações no Festival Internacional de Curitiba, Itaú Cultural, Sesc Copacabana (RJ), Sesc Palladium (BH-MG), Escola Livre de Teatro de Santo André e diversa unidades do Sesc no interior de SP.

Sobre o Coletivo Negro: O Coletivo Negro é um grupo de pesquisa cênico-poético-racial que há oito anos se debruça sobre a presença do negro no teatro brasileiro. Formado por Aysha Nascimento, Flávio Rodrigues, Jefferson Mathias, Jé Oliveira, Raphael Garcia e Thaís Dias, recebeu duas indicações ao Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro com a obra “Movimento Número 1: O Silêncio de Depois…”, nas categorias Melhor Elenco e Grupo Revelação. Concorreu ao Prêmio Qualidade Brasil, por sua ocupação artística no TUSP (Teatro da USP). O grupo já se apresentou em alguns dos principais palcos da cidade de São Paulo e do país como as unidades do Sesc Pompéia, Copacabana Santos, Auditório Ibirapuera, Itaú Cultural, TUSP, Teatro Villa Velha (Bahia), CCBB (MG), Cooperifa, Galpão do Folias, entre outros.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta