A cultura como pilar para construir a melhor empresa para se trabalhar

André Scatolini 

O mercado de tecnologia vive um momento único e muito importante. A pandemia impulsionou a digitalização das empresas e criou oportunidades de diversificação de ofertas e serviços, acelerando em anos este processo de transformação, que não foi apenas digital. Ter as pessoas como o centro da estratégia ganhou relevância ainda maior. O mercado está mais atrativo e cheio de oportunidades para os profissionais de tecnologia e, embora a remuneração ainda seja um aspecto bastante relevante na escolha de onde trabalhar, já não é mais o fator decisivo em grande parte dos casos. A cultura de uma empresa é o que faz com que as pessoas se sintam confortáveis, acolhidas e felizes com seu ambiente de trabalho, e isso faz toda diferença neste processo.

Transformação por meio das pessoas e valores 

A construção do melhor ambiente para se trabalhar baseia-se na estruturação de valores sólidos, na capacitação das pessoas, na oferta de oportunidades de carreira e em mantê-los engajados em projetos relevantes e desafiadores. Apostar apenas em remunerações agressivas para atrair profissionais e, deixar de lado os aspectos de cuidado com o ser humano e de desenvolvimento de suas carreiras, pode gerar relacionamentos de curto prazo para a companhia. 

Em um mercado competitivo, em que a demanda por profissionais qualificados é maior do que a oferta, crescer acima das taxas do setor de tecnologia parece improvável. O foco em pessoas como centro de nossa cultura, tem nos permitido crescer de forma acelerada – registramos aumento de 90% em relação ao último semestre. O estudo Global Labor Market Survey, realizado pelo Gartner divulgado em 2021, revelou os atributos considerados mais importantes por colaboradores no Brasil. Entre os principais estão remuneração (49,1%), seguido por respeito (41,3%). Não menos importantes, integridade e ética (29,9%), oportunidades de carreira (29,6%) e estabilidade (27,2%).

Esses indicadores confirmam que não basta contratar os melhores profissionais, é necessário oferecer um ambiente e cultura que levem em consideração o que mais os agrada, para que se sintam motivados e queiram permanecer na empresa.

Estratégia e humanização das relações

É necessário pensar em aspectos essenciais como qualidade de vida e, consequentemente, o equilíbrio entre o pessoal e profissional para humanizar as relações profissionais. 

Uma das primeiras medidas neste sentido é ajustar a estrutura interna para que os times de People Office e Marketing ganhem a mesma importância estratégica que os departamentos de vendas e financeiro. Como um dos principais resultados deste movimento, colocamos diversas ações em prática neste semestre, melhorando a percepção e a experiência das pessoas. 

Foco na experiência das pessoas (ou Employee Experience)

Iniciar este movimento com ações de employer branding, promovendo uma comunicação constante e transparente com as pessoas e reforçando a atratividade para o mercado como marca empregadora é o primeiro passo. A proximidade da equipe de People Office, desde o início do processo de recrutamento e seleção, passando pelo onboarding, treinamentos e conversas direcionadas com outras áreas da empresa, tem sido um diferencial importante para garantir essa experiência.

Para colocar tudo isso em prática, apresentar os resultados da empresa em lives mensais e convidar pessoas para contar novidades sobre suas áreas de atuação, além de promover bate papos com o CEO, em que converso com pessoas das diferentes áreas da companhia, são extremamente importantes. Esse contato tem sido extremamente valioso para estreitar o relacionamento e trocar experiências. 

Como resultado, a validação do ambiente de trabalho por alguém que faz parte do time também contribui muito para trazermos bons profissionais. Temos mais de 200 vagas em aberto e um programa interno de indicação bastante ativo. Acredito que, se a pessoa está feliz e se sente acolhida, a possibilidade de indicar alguém que compartilhe dos mesmos valores aumenta exponencialmente.

O investimento em pessoas é a principal prioridade. Os gestores de equipe não devem poupar esforços para estar ao lado delas. Carinho e atenção são investimentos em cultura organizacional e precisam permear as equipes. O senso de propósito une os profissionais e cria um ambiente de trabalho colaborativo incrível. As pessoas se identificam com isso e, embora exista pressão para produzir resultados, essa cultura traz à tona o melhor de cada um e faz com que as pessoas se sintam parte de algo maior.

Acredito profundamente que a transformação cultural, estruturada nos pilares de respeito, integridade, oportunidades de carreira e estabilidade profissional, tem hoje um papel preponderante no crescimento da empresa, não somente como valor de mercado, mas como na constituição da melhor empresa para se trabalhar.

*André Scatolini é CEO da NAVA Technology for business

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta