Projeto do Sesc Piracicaba destaca a representatividade da Mulher Negra

A diferença de direitos, espaços e oportunidades para mulheres e homens ainda é muito grande no Brasil. Quando consideradas as mulheres negras, os dados retratam um verdadeiro abismo, com dificuldades muito maiores para acessar direitos básicos. O projeto “Representatividade Importa: Mulheres Negras em Evidencia” do Sesc Piracicaba que inicia neste mês de março e segue até abril, propõe debates e vivências para gerar reflexão sobre o tema com protagonismo de ativistas e coletivos de mulheres negras da cidade, além de programações artísticas e esportivas. No palco, as ideias, e principalmente a presença, de vozes tantas vezes silenciadas.

Neste sábado dia (09/03), às 15h00 a roda de conversa seguida de desfile “Representatividade das Mulheres Negras: Desconstruindo a padrão estético”, inicia o projeto abordando como o racismo atravessa a construção da identidade e autoestima das mulheres negras, bem como o caminho por meio dos quais elas vêm conquistando espaços na sociedade. A vivência tem a participação de Preta Rara, professora, rapper, influenciadora digital, modelo e turbanista; Lia Martins, professora pós-graduada em educação e relações étnico-raciais; e integrantes do Coletivo Beleza Preta, de Piracicaba. A atividade acontece na comedoria da unidade e a participação é gratuita.

Para o dia (24/03), domingo, às 11h00 a vivencia “Capoeira Mulher – Origem e Vivencia” propõe um espaço democrático para manifestação cultural, resistência, liberdade, expressão corporal, criação e improviso. A capoeira é uma tradição afro-brasileira que integra elementos do ritual, do jogo, da luta, da dança, da música e da força feminina. A vivência será ministrada pela professora Jararaca (Grupo Cativeiro) que também participa da roda de conversa, junto com a educadora Letícia Vidor e a treinela Gabi Moncau do Grupo Nzinga de Capoeira Angola. A mediação será feita por Natalia Puke. A atividade acontece no ginásio da unidade com entrada gratuita.

Na quarta, (27/03), às 20h o debate “Segurança Pública e Encarceramento das Mulheres Negras” traz dados do Ministério da Justiça que demostram que o aprisionamento no país tem gênero, cor e classe: a população feminina cresce o dobro da masculina, e duas em cada três presas são pretas ou pardas. Qual mecanismo para combater essa desigualdade de direitos? O debate tem as participações de Deise Benedito, advogada especialista em relações raciais e pretira em Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate a Tortura; e Silvana Verissimo, ativista piracicabana do Conselho Nacional dos Direitos das Mulheres e Fórum Nacional de Mulheres Negras. A atividade acontece na Sala do Curumim da unidade, participação é gratuita e indicada para maiores de 14 anos.

Encerrando as atividades de março, no dia 31, domingo, às 15h30minThereza Alves, acompanhada de um Power Trio (baixo, piano e bateria) e Alessandro Penezzi, apresenta o espetáculo “Canta Outra vez” com canções inéditas e clássicas da música brasileira. Um show dedicado à arte e a cultura, com um repertório de compositores da nova geração entre sambas, valsas, foxtrote, samba-canção e bolero. A apresentação acontece na comedoria da unidade com entrada gratuita.

Para o mês de abril o projeto traz o workshop “O vôlei campeão da Fofão” no dia (03/04) e o debate “Mulheres Pretas e Saúde Mental” no dia (06/04). Para saber mais acesse: sesc.org.br/piracicaba.

 

 

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta