Moradores e visitantes aprovam placas do Circuito Monte Alegre

Moradores e visitantes aprovam placas do Circuito Monte Alegre


Equipamentos apresentam informações sobre trânsito, além da fauna, flora e dados do bairro histórico de Piracicaba

Moradores e visitantes aprovaram as placas de sinalização implantadas no bairro Monte Alegre, que fazem parte do projeto Circuito Monte Alegre, organizado pela Casa da Floresta, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda (Semdettur). São 12 placas que têm como objetivo criar uma comunicação assertiva e direcionada aos motoristas, por meio de layouts diferenciados que, além do trânsito, apresentam informações sobre a fauna, flora e história do bairro. As próximas etapas do projeto contemplarão a instalação de painel artístico “muroarte” e projeto paisagístico, incluindo a implantação de mobiliário urbano e a remodelação viária da avenida Pedro Morganti.

Patrícia Moreno, moradora de um condomínio no bairro, não escondeu a surpresa diante da iniciativa. Ela disse estar encantada com a colocação das novas placas na avenida principal. “O Circuito Monte Alegre serviu para unir e sensibilizar todas as pessoas que passam por aqui diariamente”, ressaltou.

Kátia Ferraz, que reside no bairro desde 2018, também elogiou a instalação das placas, frisando que elas têm um significado especial. “Sinto que estamos fazendo o bem, cuidando da natureza e promovendo o cuidado com a fauna local. Bom saber que ainda existem pessoas preocupadas com estas questões”, disse Kátia.

Layout: A primeira fase do projeto, patrocinada pela Oji Papéis Especiais, contempla a instalação de 12 placas de sinalização com projeto artístico desenvolvido pelo artista e pesquisador Camilo Riani. Essas obras de arte apresentam animais silvestres como capivaras, gambás, tatus, quatis e ouriços, que são comumente avistados no bairro. As placas trazem a leitura do artista para a fauna regional, que nas vias de acesso ao bairro são alvos de atropelamentos, dada a intensificação do movimento no local, e que precisam ser preservados.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Cancelar resposta